quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Banned in America (1998)


Na mesma linhagem de Faces of Death, Banned in America é a primeira parte de uma coleção de shockumentary (shock+documentary) sobre a morte explícita e a violência que existe ao redor do mundo. Divididos em 5 partes, cada VHS mostra vários vídeos chocantes envolvendo a morte, sem borrões ou tarja preta. No primeiro volume, temos uma coleção de vídeos envolvendo suicídio, curiosidades bizarras, acidentes de trânsito com vítimas fatais, maus tratos, execuções, enforcamento, uma sangrenta briga de pit bulls, corpos despedaçados e outras coisas que são desaconselháveis para quem não tem estômago forte! Contém possíveis spoilers.


Banned in America 1 começa mostrando um chocante suicídio que aconteceu em Los Angeles. Em 30 de abril de 1998, Daniel V. jones estacionou o seu carro em uma ponte e ligou para o LAPD (departamento de polícia de Los Angeles) para anunciar o seu suicídio, tal como a sua localização. Ele estende um cartaz em protesto com a frase "HMO’s are in it for the money. Live free, love safe, or die". David tinha sido diagnosticado com Câncer e AIDS, o que levou ele a ficar frustrado com a vida ao ponto de realizar um suicídio com transmissão ao vivo pela TV.  Enquanto helicópteros sobrevoam a área registrando tudo, ele entra no carro para por em prática a sua terrível façanha. David entra no carro e atira fogo sobre o seu veículo. Por sorte, ele consegue fugir de uma morte lenta e dolorosa, mas o cachorro dele que não tinha nada a ver com o problema de seu dono, acabou morrendo queimado vivo. David tenta pular a ponte para uma morte certa, mas acaba desistindo da ideia, já que essa morte súbita poderia não ser captura pelas câmeras da mídia. Em um certo momento do vídeo, David vai até o seu carro (ainda em chamas) para pegar a sua espingarda e disparar contra a sua própria cabeça, fazendo fluidos de sangue se espalharem no asfalto.


Durante seus 46 minutos de duração, o primeiro volume de Banned in America, mostra vários outros vídeos, cada qual mais chocante que o outro. Uma perseguição policial, acaba gerando um acidente de trânsito fatal, causando a morte do fugitivo e de inocentes civis. Em uma tribo indígena, somos apresentados a um homem com um tumor gigantesco nos testículos (é isso que eu chamo de saco cheio). Outros acidentes envolvendo vítimas fatais também são mostrados, com cenas bem fortes. Um homem tem suas mãos e pés cerrados em algum tipo de tortura ou snuff film. Em outro vídeo, encontramos mais cenas de mortes, decapitação e crueldade humana. Aqui, existe algumas coisas que foram importadas de outros shockumentary, como a visita a um matadouro de animais disponível em Faces of Death. Outros vídeos que também fizeram parte de BANNED FROM TV lançado no mesmo ano — como é o caso do incêndio no edifício Joelma, o manifesto na Coreia do Sul e uma mulher sendo usada como escudo humano —, são novamente documentos.


Em 22 de janeiro de 1987, um político norte-americano da Pensilvânia cometeu suicídio com um tiro na boca durante uma entrevista coletiva transmitida pela televisão. Seu nome era Robert Budd Dwyer. Ele foi acusado de ter roubado US$ 300 mil, pegando uma pena de 55 anos de prisão. O que parecia ser somente uma entrevista e tentativa frustrada de alegar inocência, acabou se tornando um suicídio quando Budd Dwyer após ler o seu último discurso, disparou um tiro dentro de sua boca. "Afastem-se, esta coisa vai machucar alguém", foram suas últimas palavras.

Um outro vídeo famoso que podemos encontrar aqui, é o assassinato de Jeff Doucett, acusado de pedofilia. Ele foi morto pelo próprio pai da vítima, enquanto era escoltado por polícias dentro de um aeroporto.

Todos os outros vídeos disponíveis nesse documentário são reais, mas como eu não tenho conhecimento avançado em inglês, não foi possível fazer uma análise profunda e precisa para cada um deles. Cuidado para não confundir Banned in America com Banned from TV, pois apesar dos dois possuírem nomes bastantes distintos e ideias similares, esses dois documentários não fazem parte de uma mesma coleção e pertencem a diferentes produtores. Mesmo sendo muitos parecidos, Banned from television é muito inferior e nem é tão chocante assim.


Se você ficou ofendido com está resenha e as imagens explícitas envolvendo a morte, esse filme não é aconselhável para você! Lembrando que esse é somente o primeiro volume de uma coleção de cinco partes, com cerca de 50 minutos cada. A coleção inteira foi relançada em box set pela Braim Damage Films (responsável pela criação de Traces of Death), no formato DVD com todos os capítulos da franquia. Eu considero este filme um trabalho incrível e ousado! Pois em 1998, a internet não era nem a metade do que é hoje e montar um documentário naquela época, era um desafio e tanto! Não é como os dias de hoje. Atualmente, encontramos qualquer vídeo de morte no google com apenas um clique e podemos até baixá-los sem muita dificuldade. Por isso, filmes como MDPOPE não são capazes de me surpreender, já que qualquer pessoa, pode fazer o seu coletando alguns vídeos na Internet.  Veja BANNED IN AMERICA e descubra um pouco da obscuridade que existe em nosso planeta.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Shocking Asia (Asia perversa) - 1974


Dirigido por Rolf Olsen, o filme mostra cenas do continente asiático e seus extremos rituais, além de corpos jogados no rio Ganges com a presença de banhistas, uma cirurgia de mudança de sexo, comidas exóticas e outras coisas chocantes que são tradicionais na cultura hindu. Contém possíveis spoilers.

Em nossa primeira parada, somos apresentados ao tradicional ritual hindu chamado Thaipusam, onde os devotos praticam um extremo ritual que consiste em colocar vários piercings pelo corpo. Essa celebração é tão importante para eles, que algumas estradas são interditadas para não atrapalhá-los. Na cena seguinte, aprendemos um pouco sobre a exótica culinária do lugar em um rápido giro no continente asiático. Para quem ficou indignado com a morte real de uma tartaruga em CANNIBAL HOLOCAUST, prepare o seu coração para ver outra tartaruga sendo abatida nesse filme. Alguns outros animais como cobras, morcegos, tartarugas e até mesmo um jacaré ou crocodilo de pequeno porte, são mortos para servirem como alimentos para um restaurante bastante popular na cidade. Um encantador de serpente também é mostrado nesse documentário e mais tarde, a equipe de filmagem mostra um templo bem antigo com dezenas de esculturas de pessoas fazendo sexo grupal e praticando zoofilia. Diversos outros rituais também são documentados aqui. Entre ele, um chocante ritual onde pessoas molham seus corpos com óleo fervido, utilizando as mãos nuas para o manuseio do líquido.


A segunda parte de SHOCKING ASIA, explora um pouco da perversão sexual e esquisitices desse povo exótico. Um bordel com várias travestis transexuais é mostrado. Na sequência, vemos uma cirurgia de mudança de sexo (a cena mais difícil de assistir, na minha opinião) e um manifesto que aparentemente, é contra esse tipo de operação cirúrgica. Eles carregam esculturas em formato de pênis e bandeiras com ilustrações do órgão sexual masculino, manifestando ao lado de mulheres e crianças. E que tal um passeio em um museu com temática sexual? Com várias bucetas e pênis artificias espalhados em todos os lugares, manequins representando relações sexuais, assim como sadomasoquismo (BDSM), tortura sexual extrema, figuras em tamanho real de animais acasalando e uma porção sacanagem? Isso existe em algum lugar da Ásia e é ricamente documentado aqui. Nos minutos que se seguem, temos uma luta-livre feminina, uma outra envolvendo anões e outras coisas não muito relevantes.

SHOCKING ASIA nos leva a uma viagem para uma terra rica em cultura e com costumes incomuns que por muitas vezes, é chocante para nós que não conseguimos entender com muita clareza, todo o simbolismo e benefícios que esses estranhos rituais podem nos oferecer. Para eles, uma auto-tortura em um ritual sagrado, representa uma questão de fé, adoração aos deuses ou uma busca por poder espirituais. Para nós, isso é no mínimo um circo de horrores envolvendo fanáticos religiosos e masoquistas. Imagine a cara de um turista desavisado, ao se deparar com um homem penetrando vários anzóis em seu corpo? isso sem contar, os devotos que parecem possessos por alguma entidade durante essas estranhas celebrações. A gastronomia também é uma questão cultural. Enquanto em alguns países animais são considerados deuses, para outros, os mesmo são pratos indispensáveis na mesa para qualquer dia da semana. Note que os franceses comem cavalos, enquanto aqui no Brasil, isso é algo completamente bizarro para a grande maioria das pessoas.


A qualidade técnica do documentário feito em parceira com Ingeborg Stein Steinbach, é bem melhor do que muitos documentário do gênero. Não se trata de uma compilação de vários vídeos com rituais e perversão, aqui tudo foi gravado com muito profissionalismo pela produção. A trilha sonora foi feita sob medida. Isso sem contar, a narração rica em conhecimento do diretor que só melhora ainda mais a qualidade do material. Algumas pessoas consideram este filme muito sensacionalista, mas eu não acho isso. Afinal, não existe outras formas para documentar o lado mais chocante da Ásia sem fazer uso de imagens fortes e explícitas.

Curiosidades:
- Em 1985, Rolf Olsen retorna mais uma vez com a segunda parte do documentário chamado Shocking Asia II: The Last Taboos
- O filme foi banido na Finlândia, devido a natureza forte das imagens. 

domingo, 27 de novembro de 2016

Banned from TV (1998)


Banned from television (conhecido também como Banned from TV) é um documentário divididos em três volumes, lançados em 1998. O documentário mostra dezenas de filmagens chocantes envolvendo a morte, acidentes automobilísticos, gravações amadoras, flagrantes de violência capturadas por câmeras de viaturas policiais, acidentes fatais, erotismo e outras imagens reais que chocaram o mundo. Tudo isso, narrado (em inglês) pelo próprio produtor que segundo a Wikipédia, se chama Joe Francis.


Vários vídeos são mostrado ao longo deste documentário, com direito a slow motion para repetir os momentos críticos das cenas. Vemos um vídeo gravado pelos circuitos internos de um estabelecimento comercial, onde um homem é assalto e baleado. Logo, uma série de acidentes de carros são mostrados, onde os motoristas escapam ilesos da morte súbita. Na Argentina durante as filmagens de um filme com cenas de perseguição, um dublê acaba perdendo o controle do carro e atropela o cameraman. Em Nova Orleans e em outras partes do mundo, o documentário mostra mulheres em festivais carnavalesco e em praias públicas exibindo os seios ou dançando completamente sem roupas em performances eróticas. Na cidade do México, um homem está usando uma mulher como escudo humano, mas logo é abatido por um policial que acerta um tiro em seu crânio. No Brasil, um homem enlouquecido ameaça tirar a vida de um bebê com uma faca, mas um tiro certeiro de um dos policiais, acaba tirando a vida do sujeito e a criança sobrevive sem nenhum ferimento. Vários acidentes de aviões são mostrados, assim com alguns quedas de balões aéreos. Em uma tradicional tourada na Espanha, várias pessoas acabam ficando feridas e uma mulher é brutalmente morta pelo touro. Novamente no Brasil, um incêndio no edifício Joelma (1 de fevereiro de 1974, são paulo) matou várias pessoas carbonizadas e uma das vítimas morre ao saltar do prédio. Em outras partes do mundo, o documentário mostra execuções de acusados de estupro e pedofilia. Na Coreia do Sul, vemos um protesto em uma construção, onde os manifestantes atiram bombas nos operários. Em um outro lugar, um elefante foge de um circo causando pânico nas ruas e só é detido após ser executado a tiro de armas de grosso calibre. Isso não é nem um terço do material disponível nos três volumes da coleção, são dezenas de vídeos de acontecimentos que abalaram o mundo na década de 90 e outras coisas nem tão populares assim. O filme acabou sendo banido no Reino Unido pela BBFC.


O filme começa sem nenhuma introdução, sem sequer mostrar o título do documentário. Depois de navegar bastante na internet, acabei percebendo que todas as cópias dele são iguais e que nenhum minuto estava faltando. Também não existe um encerramento para ele para expor pelo menos, o nome do produtor e responsável pela edição. Esse tipo de detalhes podem não ser muito importantes para alguns, mas para um curioso como eu que costuma explorar o restante da filmografia de cada diretor, isso acaba fazendo uma falta enorme! Em BANNED FROM TV não existe nenhuma legendas, mas você não vai precisar delas para entender o que se passa em cena. Tudo o que esse documentário pretende mostrar é o mundo real e cruel onde vivemos e o que o ser humano é capaz de fazer com o da sua própria espécie. Esse documentário tem um significativo valor histórico e jornalístico, mas como Shockumentary ele decepciona bastante. Fãs de shockumentary concordaram comigo quando perceberem que o material aqui não é tão explícito (como é divulgado) e até mesmo, poderia passar na TV nos dias atuais sem "nenhum problema", como aquele famoso sequestro que deu origem ao filme Última parada 174 ou dezenas de outros casos que surgem todos os dias ao redor do mundo.