segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Maskhead (2009)


Fred Vogel é com certeza, um diretor de peso! Não devido o fato dele ser gordo, mas sim, pela sua gigantesca contribuição para o cinema underground nos últimos anos. Talvez você não o conheça pelo nome ou nunca tenha ouvido falar da Toetag Pictures, mas provavelmente, já deve ter ouvido falar muito da trilogia August Underground durante sua busca por filmes Perturbadores e outras bizarrices do gênero. 

Como já era de se esperar, esse filme não possui nenhuma legenda. Isso pode ser um pouco desanimador para muitos, mas quem falou que tudo nessa vida é perfeito? No caso de MASKHEAD, a falta de legendas pode não ser o seu único problema (explicarei isso mais tarde).


Produzido por Fred Vogel e Shelby L. Vogel (esposa do diretor), o filme conta a história de duas lésbicas, um cowboy gay e um impiedoso assassino mascarado. O trio são fundadores de uma produtora de vídeos eróticos chamada Modeling, que na realidade, se trata de um negócio obscuro envolvendo assassinatos por lucro. O que podemos esperar de um filme como esse? Simplesmente, muito sangue e sexo, com o selo de qualidade da Toetag Pictures.

A trama gira em torno de Syl (Shelby L. Vogel) e Maddie (Danniella Inks), elas são produtoras de filmes pornô softcore e trabalham em parceria, com um cowboy gay nada amigável. Com a ajuda de um comercial, as duas garotas conseguem atrair pessoas que querem ganhar dinheiro seguindo a carreira como porn star. Destaque para a frase que aparece embaixo do vídeo comercial : "Syd e Maddie venderam mais de 100 Milhões de DVD no mundo todo.... Que porra você está esperando? Tire o pau do seu pai da sua boca e pegue o telefone !"


Depois da divulgação do comercial, o filme segue mostrando entrevistas de homens e mulheres, assim como a produção do vídeo pornô softcore de cada um deles. A princípio, tudo acontece normalmente. Porém, tudo muda quando um estranho homem com uma mascara sinistra, invade o set para matar os atores no meio das filmagens. Logo, é então revelado que não se trata de um negócio envolvendo filmes eróticos, mas sim, de uma produção caseira de filmes Snuff onde pessoas são mortas de verdade.

Se você já assistiu August Underground, já deve saber que o diretor Fred Vogel tem um talento muito grande quando o assunto é criar snuff movies bem "realista". No caso de MASKHEAD lançamento dois anos após o fechamento da trilogia AU, a qualidade dos efeitos especiais continua sendo mais do que satisfatória.

No filme você não vai encontrar cenas de sexo explícito, mas sim, algo como: Uma atriz chupando uma banana, uma garota vestida de palhaço se divertindo com balões de festa e uma gostosa brincando com um homem imitando um cachorro. Mas por outro lado, esse filme trabalha muito com tortura sexual. Imagine um cowboy enfiando a mão e parte do seu braço, dentro da bunda de um adolescente viciado. Infelizmente, o seu anel favorito acaba se perdendo dentro do ânus do rapaz e ele resolve meter a mão novamente para tirá-lo. Imagine também, duas lésbicas dentro de um restaurante, onde uma enfia o pé na vagina da outra por debaixo da mesa. Isso tudo você ver em MASKHEAD, fora as cenas de torturas, humilhação e crueldade que estão presente em todo o longa.


A principal estrela do filme, atende pelo nome de Maskhead. Maskhead é um homem alto com atadura na cabeça, braços e peitoral. Ele é parecido com a maioria dos serial killers de filmes de terror (Michael Meyer, Leatherface, Jason...), sendo então um assassino insano, forte, calado e possui uma máscara assim como qualquer outro retardado do gênero. Seu principal instrumento de tortura é uma pequena marreta, embora utilize bem mais sua força física. Mesmo sendo um ator de filme erótico, Maskhead não faz sexo com nenhuma das atrizes. Ou será que ele faz? 

A cena final deste filme com certeza, é a parte mais perturbadora e insana que esse filme pode nos oferecer. Caso você ache que qualquer revelação sobre um filme é considerada SPOILER, eu sugiro que você não leia o penúltimo fragmento de texto desta resenha.

O filme abre com uma cena onde uma mulher, está amarrada sobre uma cama improvisada. Mais tarde, bem na cena final, descobrimos o destino trágico dessa mulher. Maskhead aparece em cena com um pau enorme (um "pênis" artificial de madeira com pregos, criado por ele mesmo). A garota então é estuprada pelo assassino e a câmera faz close em sua vagina que está sendo massacrada em todos os sentidos, literalmente ! Eu não sei bem como essa cena foi feita, mas, o efeito especial é de cair o queixo.


Para finalizar, existe um problema além da falta de legendas que eu pude observar. Sabe quando o filme tem muitos diálogos necessários? Pois é... aqui existe muito disso! Não que ele tome boa parte do filme, mas para quem não entende muito de inglês,  isso acaba gerando um certo tédio que é recompensado mais tarde com as cenas de violência gratuita. O enredo também não é seu ponto forte,  lembrando que essas produções de filmes extremos, tem como principal objetivo, chocar seu público alvo e isso Fred Vogel sempre fez muito bem. 

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Torched (2004)


Sinopse: "Esse filme é sobre uma enfermeira que queima os testículos de um homem com um maçarico".

Para os amantes de cinema extremo e exploitation, eis aqui um curta metragem para deixar qualquer pessoa no mínimo, revoltada. Sendo assim, acho que eu não preciso avisar que esse filme não é adequado para qualquer plateia, certo?

Com cerca de 43 minutos de duração, TORCHED é um curta metragem que conta a história de Deanna (Michelle Boback), uma enfermeira que é estuprada violentamente ao sair de seu apartamento. O crime acontece dentro de um elevador, onde um homem com uma arma de choque, domina a sua vítima sem nenhum pudor e foge em seguida deixando a protagonista para trás. Muito abalada, Deanna retorna até o seu apartamento. Ela colhe uma amostra de sêmen do agressor (utilizando um cotonete) e chora por um longo tempo antes de tomar o seu banho e pensar em uma maneira de se vingar. Se você por um momento, imaginou que este filme se tratava de um Rape and Revenge, parabéns, você acertou em cheio !


Já expliquei inúmeras vezes as características de um Rape/Revenge e não irei fazer isso novamente (pelo menos não dessa vez). Portanto, para aqueles que ainda não conhecem esse subgênero do horror exploitation, eu sugiro que leia a postagem anterior ou apenas reconsidere que estupro e vingança (exatamente nessa ordem), são suas marcas registradas.

Mesmo com uma premissa que sugere um final bem previsível,  TORCHED ainda consegue surpreender bastante nos minutos finais. Se você procura algo como August Underground ou High Tension, você vai encontrar um valor significativo nesta obra. Deanna (mais conhecida como "D"), acaba perdendo parte de sua sanidade quando um suposto ladrão invade a sua casa a noite para estuprá-la novamente. Ela acredita que se trata da mesma pessoa e para não ser violentada mais uma vez, "D" consegue golpeá-lo com uma arma de choque. Quando o dia amanhece, o estranho invasor se encontra amarrado para Deanna, realizar sua doce vingança.


Dia após dia, ela tortura o homem em seu apartamento nas horas vagas, quando não está trabalhando no hospital ou se divertindo com sua amiga e seu novo vizinho. Deanna usa um maçarico para queimá-lo, dando uma atenção toda especial para seus testículos. Em outro momento, ela está lendo um livro sobre Crimes e punições e começa a por em prática o que aprendeu, ejetando inúmeras seringas no corpo e no pênis do suposto estuprador. Mais tarde, ela convence um viciado a estuprar o homem capturado em troca de drogas.

Pensa que acabou? TORCHED ainda contém cena de decapitação, sufocamento, gore e várias outras doideiras. A situação começa a sair completamente do controle, quando Deanna se apaixona pelo cara errado e acaba fazendo um verdadeiro massacre (não irei me aprofundar muito para não gerar SPOILER).


O curta é uma produção da Creepy Six Films em parceira com a Plotdigger Films, com direção de Ryan Nicholson e escrito por Vince D'Amato (ambos são grandes filmmakers que sabem exatamente como produzir algo bem bizarro). Os efeitos especiais estão de parabéns e a trilha sonora funciona muito bem aqui. Para quem tem interesse em assistir a esta obra, vale a pena vasculhar a internet para obter uma cópia e as legendas do mesmo. ;)

terça-feira, 19 de julho de 2016

Blood Sisters (2000)


A.K.A Senketsu no kizuna: Kichiku reipuhan o shinkan saseta shimai (2000)

Se você odeia ver mulheres sendo humilhadas e estupradas por uma gangue de homens sádicos, é aconselhável que você fique bem longe desse filme ! "Senketsu no kizuna" é um filme insano carregado com muita violência, humilhação, estupro coletivo e gore !


Por outro lado... se você curte filmes como I Spit on Your Grave, Thriller A Cruel Picture, Viagem Macabra ou qualquer outro filme com fortes cenas de estupro e vingança, provavelmente, esse título vai ocupar uma posição importante na sua lista de favoritos sobre o tema. principalmente, se você for muito fã de filmes asiático.

SENKETSU NO KIZUNA é um filme japonês de rape/revenge dirigido por Daisuke Yamanouchi (Muzan-E). Foi distribuído inicialmente pela JVD no ano 2000 e mais tarde, pela TWISTEDANGER com o título americano "Blood Sisters" no formato DVD, com áudio original japonês e Trailer de outros filmes dirigido por Daisuke. 


Para quem ainda não sabe o que é Rape and Revenge, em poucas palavras, se trata de um subgênero cujo significado está em sua própria tradução. A grande maioria deles (para não dizer todos), são filmes underground voltado mais para o gênero Sexploitation, mas isso não é exatamente um regra a ser seguida. Um bom exemplo de filmes rape/revenge, é o remake do clássico "Doce Vingança" que todo nós já conhecemos muito bem.

A linha do tempo de um filme Rape/revenge, começa quando a vítima é estuprada por um ou mais homens. A vítima é dada como morta após ser violentada sexualmente e deixada para morrer no local do crime. Na metade do filme em diante, ela sobrevive e está com sede de vingança e muito mais forte que no começo do longa. O que se segue é a morte de cada um dos estupradores, deixando quase sempre, o líder para o final. Esse filme mostra exatamente isso, porém, existe um segredo que envolve as duas irmãs.

A história do filme começa no presente, onde uma garota convida um homem para entrar em uma casa perto de lugar nenhum. Eles falam algumas coisa em japonês, algo que obviamente, um brasileiro como eu não seria capaz de entender (devido a falta de legendas). O que se segue é uma cena de sexo extremo, deixando evidente que se trata de um estupro e não de uma relação amorosa. Em um certo momento, ele masturba ela com tanta violência que seus dedos ficam cheios de sangue vaginal. A diversão dele só termina quando a "irmã de sangue" da vítima mata o estuprador, com uma facada em sua boca e um corte visceral em sua barriga. 


Depois que o nome do filme surge na tela, BLOOD SISTERS começa no seu ponto inicial (a introdução na verdade, é um fragmento de uma das cenas finais). 

Em uma floresta longe da civilização, duas garotas estão fotografando o lugar. Quando uma delas tropeça e machuca o tornozelo, as duas decidem seguir caminho por uma trilha, onde acabam se deparando com um grupo de amigos dirigindo uma van. Um dos rapazes insiste em dar caronas para as duas irmãs, mas elas se recusam a ir com eles. Ele leva a garota machucada para dentro da van contra a vontade dela, fazendo com que sua irmã fique sem saída, a não ser pegar carona com os estranhos bons samaritanos.

Eu queria poder dizer que a viagem das duas irmãs foi agradável, mas na verdade, foi um verdadeiro inferno ! Quatro adolescentes se encontravam dentro da van, um mais nojento e maluco que o outro. Acho que essa foi uma das poucas vezes que eu desejei entrar no filme para resgatar as pobre vítimas. Estava mais do que evidente que as duas seriam violentadas sexualmente, isso pode ser excitante para uns e deprimentes para outros. no meu caso, acho que foi um pouco das duas coisas.


A principal característica de Daisuke Yamanouchi, é a mistura de erotismo e extrema violência em seus filmes, Tanto é que BLOOD SISTERS mostra várias cenas de sexo dentro de seus 67 minutos de duração. As duas irmãs são levadas até um cativeiro onde sofrem um abuso coletivo. Os quatro  adolescentes selvagens se revezam para estuprar as duas sem nenhum pudor. Enquanto um deles cometem o abuso, o restante do grupo se masturba aguardando ansiosamente pela sua vez. A cena é forte e bem realista, com direito a uma pitada de humor negro (quando um dos estupradores ejacula acidentalmente na direção de seu amigo e apanha.)

Depois de uma série de estupro, humilhação e tortura (que incluem colocar pedras dentro da bunda da protagonista e um banho com sangue e vísceras), o líder da gangue marca a testa da vítima com um "X" e larga as duas no local. O restante do filme se cruza com a cena inicial, onde elas estão caçando cada um deles para praticarem a sua doce vingança.


Todos os clichés rape/revenge estão presente aqui, temperados com o que há de mais terrível em filmes CAT III Category e tudo funciona muito bem. Se você não conhecia ainda nehum filme deste insano diretor, eu recomendo fortemente o filme Celluloid Nightmares para ficar a par sobre o lado pervertido de Daisuke Yamanouchi. Agora para quem apenas procura um filme com desfecho tão misterioso como este, veja A Tale of Two Sisters e divirta-se ! ;)